A uva Vidadillo, anteriormente também chamada Crespiello, é nativa de Aragão e, mais especificamente, na área de Carignann na Espanha. Durante anos totalmente esquecida,foi redescoberta na década de 90 e já começa a  produzir vinhos de qualidade que desembarcam no Brasil. É uma cepa altamente produtiva, por isso deve crescer em solos pobres. Tem cachos de tamanho  médio, muito densos e suas bagas são de tamanho médio-grande.A maturação tardia oferece vinhos com boa acidez e teor alcoólico elevado.Os taninos poderosos fazem dela uma escolha apropriada para o envelhecimento em madeira lembrando um pouco a Nebbiolo italiana.

Um dos precursores dos vinhos desta cepa é o enólogo José Pascual Gracia, que produziu seus primeiros vinhos fora da lei que rege a produção vinícola espanhola pois a  variedade era considerada inadequada para a produção de vinhos de qualidade. Após  2009 o seu uso foi autorizado, mas Gracia já produzia bons vinhos.

Então Gracia alcançou inúmeros prêmios com seus vinhos Vidadillo e  a safra 2007 ganhou  impressionantes 94 pontos.

Como afirmado por José Gracia, a Vidadillo não é uma escolha fácil. Seu amadurecer é  tardio e sendo muito produtivo deve ser plantado em solo pobre. A  maturação tardia favorece os aromas frutados com  muita personalidade, ao contrário do modelo dominante no mercado nos últimos anos.

São vinhos que tem  grande estrutura e um nariz com um aroma especial  lembrando  pêssego, aromas florais como a lavanda e a violeta com perfume de amoras ao fundo.Quando em carvalho destacam-se a baunilha entremeado com frutas frescas vermelhas como groselhas,  não sendo  enjoativo.

Quando cortada com  outras variedades, como a Grenache, Carignan, Syrah e Tempranillo pode dar verdadeiros néctares, pois sua estrutura tânica colabora muito para o bom envelhecimento destes exemplares.

Portanto essa é uma dica para o consumidor brasileiro que está um pouco cansado das mesmas cepas e quer desenvolver novas percepções gustativas e olfativas dentro do infinito mundo dos vinhos. Saúde.!.