Comida di Buteco, em parceria com a Missão Diplomática dos EUA, trouxe ao Brasil o consagrado chef americano, especialista em “comida para a alma”

Reportagem Carol Duarte – Especial Senhora Mesa São Paulo

Fomos convidados a participar de uma visita a três botecos paulistas, com o chef Cooper. Nativo de Detroit, cidade industrial americana onde a comida de raiz tem forte presença, R. J. Cooper tem mais de 20 anos de experiência. Ele é formado na Culinary School at Kendall College, em Chicago, e possui dois restaurantes. O Rogue 24, em Washington D. C., é onde o chef une sua paixão pela arte de cozinhar com técnicas antigas e modernas, criando pratos com um toque de rock and roll. Sua outra casa, a ~Gipsy Soul~, em Fairfax, Virginia, é uma homenagem às fazendas americanas, com pratos ricos em ingredientes tradicionais. Fã da banda de rock Motorhead, o chef disse que nunca viu uma cidade tão grande quanto São Paulo. Ele realmente estava impressionado! Quando questionado sobre a diferença entre comida brasileira e a americana ele respondeu: “Um monte de coisa, existe uma enorme diferença nos temperos, especiarias. Por exemplo, em bares no USA você somente encontra hot dogs, chicken wings e hambúrguer”.

Também estavam presentes, Marcelo Bastos, do Jiquitaia – o restaurante dele foi destaque na última edição de Veja Comer & Beber e também na categoria BB Gourmand do Guia Michelin, Eudes Assis, do Gastronomia Caiçara – conhecido no cenário brasileiro da Gastronomia por utilizar principalmente ingredientes da culinária caiçara, como taioba e banana, frutos do mar, e peixe seco, típicos da região caiçara e Priscila Herrera, do Banana Verde, Mineira de Poços de Caldas, a chef trabalhou com grandes chefs, como Salvatore Loi, do Fasano e Fabrice Lenud, da Pâtisserie Douce France.

chefs-comida-di-buteco-senhora-mesa

Chefs da esquerda para direita: Eudes Assis, Marcelo Bastos, R.J. Cooper e Priscila Herrera.

A caravana do Comida di Buteco começou no Lins Sushi, onde o chef Cooper fez um petisco para nós, os convidados. Ele criou e serviu duas bruschettas, uma de tartar de cordeiro e outra de carne de porco desfiada com cheddar americano cremoso, cream cheese e pimenta jalapeño. O prato do Lins Sushi foi Chicken Lins, frango a passarinho japonês com molho de abacaxi com hortelã. Próxima parada foi o bar Nação Nordestina onde fomos muito bem recebidos com o prato Dona Rosinha, tapioca de acerola com carne de panela, creme de queijos e geléia de pimenta. Terminamos a noite no Famoso Bar do Justo, excelente recepção do garçom Adriano que está na casa desde seus 17 anos. O prato participante do Bar do Justo é Costela 40 Horas que consiste em bolinhos de costela bovina marinada, assada e frita servida com geleia de morango com pimenta, maionese e molho indiano feito com o caldo da costela.

chicken-lins-comida-di-buteco-senhora-mesa

Chicken Lins, frango a passarinho japonês com molho de abacaxi com hortelã.

dona-rosinha-nacao-senhora-mesa

Dona Rosinha, tapioca de acerola com carne de panela, creme de queijos e geléia de pimenta.

bar-do-justo-senhora-mesa

Costela 40 Horas do Famoso Bar do Justo.

Flavia Rocha, sócia do Comida di Buteco explicou que a adesão dos bares é feita através do site. “Os bares são convidados, sem nenhum custo e relação comercial. Podem participar somente os botecos “espontâneos”, que são aqueles que têm seus donos e famílias trabalhando no negócio, não podem ser franquias nem pertencer a nenhuma rede. O participante pode ter até 2 bares, mais do que isso já consideramos rede”.

Flavia também contou que os bares participantes não são obrigados a usar e comprar nenhuma marca patrocinadora, mas como entendem que é a única fonte de receita do Comida di Buteco, ajudam bastante aderindo aos produtos e ativações das marcas.

O Comida di Buteco recebe indicações de botecos pelo site e redes sociais, a equipe do evento visita todos eles e então avaliam através de quesitos padrão e contato direto com os donos. “Os que mais se adéquam ao perfil são convidados a participar” – contou Flavia.

Perguntei a ela o que eles esperam do futuro: “Esperamos continuar a transformar a vida sócio econômica destes pequenos varejos familiares, pois essa é a nossa missão. Em 2016, queremos fazer a eleição do melhor boteco do Brasil, já que em 2015 chegamos às 5 regiões brasileiras”.

Em 2015 o evento está pela primeira vez em Brasília, Recife, Curitiba e Porto Alegre. Confira a lista das cidades participantes:

Belém, Belo Horizonte, Brasília, Campinas, Curitiba, Fortaleza, Goiânia, Juiz de Fora, Manaus, Montes Claros, Poços de Caldas, Porto Alegre, Recife, Ribeirão Preto, Rio de Janeiro, Salvador, São José do Rio Preto, São Paulo, Uberlândia e Vale do Aço.

Veja todos os bares participantes aqui!