Tem histórias que são boas, e tem  histórias que nos fazem sentir bem em saber que amor e paixão ainda movem muitas pessoas, que com perseverança buscam traçar o seu destino. Abaixo, uma delas:

Foi com a mãe e a sogra que o cozinheiro piracicabano Paulo Zinsly tomou gosto pela comida. Casado há sete ano, ele conta que já sofreu um certo preconceito por fazer da cozinha seu ambiente de trabalho. “Já cheguei a trabalhar com 20 mulheres e só eu de homem. Realmente não é fácil. Agora, a situação está um pouco mais equilibrada”, ri. De forma franca e aberta, ele conta que por ser adotivo – o que para muitos gera revolta -, poderia seguir rumos diferentes. “Já tive oportunidade de fazer muita besteira, mas a vontade de trabalhar com cozinha e a responsabilidade que esse trabalho sempre exigiu de mim, não me deixaram errar”.

Foto Patrícia Guimarães

Já teve um trailer de lanches, já trabalhou pesado em cozinha industrial, em restaurante italiano,     marroquino e japonês. No início, muita humildade para buscar um espaço. Paulo conta que  trabalhou como recepcionista em um restaurante italiano da cidade e que chegava antes do horário só pra ver o pessoal fazendo a produção para o jantar. Parece até roteiro de novela, mas um certo dia o cozinheiro faltou. “Esse cozinheiro era o único que preparava um certo prato do cardápio. O pessoal da cozinha comentou: o Paulinho sabe fazer, ele sabe montar esse prato. E lá fui eu. Deu certo, finalizei e acabei ganhando o emprego de ajudante de cozinha. Foi a minha primeira experiência. A partir daí eu já sabia qual o caminho eu gostaria de seguir”.

Depois de oito ano percorrendo restaurantes de todos os tipos, Paulo resolveu abrir o próprio negócio: Paulinhos Restaurante. Tudo corria bem até que o destino resolveu dificultar as coisas. O espaço foi assaltado e os ladrões levaram tudo: máquinas, televisão e dinheiro. “Eu precisei fechar, não tinha outra forma de sustentar o negócio”. Mas, logo em seguida, junto com um sócio abriu e ainda mantém em uma esquina da cidade uma pastelaria. E no mês de março, começou a comandar a cozinha do Deck Bar e Restaurante, do Clube de Campo de Piracicaba, com direito a happy hour e menu especial desenvolvido por ele. Além disso, toda última segunda do mês, ele promove algum curso, como o de caldos, já mostrado aqui no Senhora Mesa.  “No fim de tarde a caipirinha com as porções de comida de boteco tem a maior saída”.

No próximo ano ele parte para uma nova empreitada. Depois de muito insistir, como ele mesmo diz, conseguiu uma bolsa para cursar gastronomia no Senac Grande Hotel, em Águas de São Pedro, um dos mais conceituados do Brasil. Lá ele vai morar, trabalhar e estudar. “É a oportunidade batendo novamente na minha porta e eu não posso deixar passar. Foram inúmeras cartas e ligações até a vaga surgir. Vou agarrar com força e só saio de lá formado”.

O Senhora Mesa torce para que Paulo se realize, e, que nós, apreciadores de uma boa comida, possamos nos esbaldar com as delícias que ele ainda há de preparar.