Com  mais de 350 anos de tradição, a África do Sul possui, ao mesmo tempo, características de frescor e jovialidade.

A marca South Africa, anteriormente conhecida como o Conselho Internacional de Marketing da África do Sul, foi criada em agosto de 2002 para ajudar a criar uma imagem de marca positiva e atraente para a África do Sul. O nome mudou oficialmente para melhor alinhar seu mandato de construir a reputação da marca da nação da África do Sul, a fim de melhorar sua competitividade global.
No tradicional mundo dos vinhos, fama se constrói com o tempo. As regiões mais tradicionais cultivam suas uvas há centenas de anos da mesma maneira, criando uma identidade e a inserindo em cada garrafa. Países como França e Itália são membros do chamado Velho Mundo do vinho, graças a tal tradição e suas uvas características. Do outro lado, novos países têm adquirido a cultura do vinho e, em anos recentes, começado a produzir seus próprios rótulos, tal como Austrália, Chile, e Brasil. Dentre todos os países do Novo Mundo, um possui, ao mesmo tempo, características de frescor e jovialidade combinadas com mais de 350 anos de tradição: a África do Sul.

celeiro-vinhos-africa-do-sul-senhora-mesa

Celeiro de vinhos na Africa do Sul.

“Os vinhos da África do Sul são um reflexo de nossa sociedade,” afirma Matome Mbatha, Gerente de Mercado da Wines of South Africa. “Mesmo tendo centenas de anos de experiência na produção de vinhos, nós só pudemos exportá-los após a tomada da democracia, no ano de 1994”, completa.
Privilegiada com climas e regiões diferentes a África do Sul consegue produzir com excelência vinhos brancos e tintos, usando enorme variedade de uvas. Os terroirs próximos à costa, no ponto mais ao sul de todo o continente africano, usufruem de um clima mais fresco e ameno, enquanto a mainland possui temperaturas mais elevadas e tempo árido.
O grande destaque dos vinhos do país é a uva símbolo nacional, a Pinotage. Herança dos indígenas da região, “é o principal produto que queremos que o mundo conheça de nosso país”, diz Mbatha.
Além de produzir vinhos únicos e repletos de alma, a África do Sul já é o 9º maior produtor do mundo, com mais 500 Milhões de litros produzidos em 2013. Agora, o país busca promover seus rótulos Premium seguindo a tendência dos outros países do Novo Mundo. Com exclusiva certificação de origem (Wine of Origin Seal) e uma chancela que habilita vinhos sob a política de Fair Trade (Wine Industry Ethical Trade Association), o país oferece ainda mais variedade para diferentes públicos.

“Não se pode separar o vinho das pessoas. A nossa diversidade – natural, de pessoas, e ao fim, de vinhos – é o que nos faz único mundialmente”, finaliza Mbatha.