Você está em:
Cervejas de Inverno

Cervejas de Inverno

Compartilhe
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Versão para impressão

Conteúdo da publicação

Kit do clube Seleção Cerveja prova que existe uma excelente relação entre lúpulos e cevadas com os derivados de laticínios

No Brasil as cervejas sempre foram associadas ao Verão, churrasco e petiscos de boteco – costume sempre estimulado por campanhas publicitárias. Por outro lado, o vinho é o escolhido como opção no Inverno e considerado fiel companheiro do queijo. Mas o crescimento do mercado das cervejas especiais tem mudado esta percepção e demonstrado a boa relação entre lúpulos e cevadas com os derivados de laticínios.

O clube de assinatura Seleção Cerveja preparou kit especial para o período mais frio do ano, o qual inclui os rótulos Rochefort 8, Kasteel Hoppy, Schneider Aventinus Eisbock e Schneider Tap 6, todos com potencial alcóolico acima da média e que provam as possibilidades de harmonização com queijos.

KASTEEL HOPPY – Fabricada pela cervejaria familiar Van Honsebrouck, fundada em 1900, é uma Belgian Blond Ale com 6.5% de graduação alcoólica. A coloração dourada transparente, com espuma cremosa branca, contém aroma maltoso com leve presença de lúpulo. O sabor é lupulado, mas não ao extremo, com corpo médio e final picante. Perfeita para iniciar a noite com um queijo Gruyere ou Emental. Uma curiosidade é que a cervejaria funciona desde 1986 em um castelo de 640 d.C., na pequena cidade de Ingelmunster (Bélgica).

FOTO 2

 

TRAPPISTES ROCHEFORT 8 – A Abadia Notre-Dame de Saint-Remy é o local de produção das sensacionais cervejas Rocheford na cidade homônima na Bélgica. Ali é um dos poucos monastérios que produzem as cervejas trapistas. O preparo fica por conta de monges beneditinos que seguem a Ordem Cisterciense da Estrita Observância – ou simplesmente Ordem Trapista. Além de cervejas, são produzidos queijos, doces e outros produtos que devem servir ao sustento da comunidade e obras de caridade.

O monastério existe desde 1230, mas a produção começou em 1595. Foi modernizada em 1952 e atualmente é a principal fonte de renda do monastério. Sob o ditado “uma cerveja fabricada com saber degusta-se com sabedoria”, são consideradas por muitos as “melhores do mundo”.

De estilo Belgian Strong Dark Ale e com 9,2% de álcool, a Rochefort 8 é complexa e especial. A cor é marrom escura e turva, com espuma densa de boa formação. O perfume é extraordinário, remetendo a frutas vermelhas, malte caramelado e condimentos. É uma explosão de sabores: ameixa, lúpulos, malte torrado e muito mais. Uma das minhas trapistas preferidas, muito complexa e marcante, ideal para acompanhar um queijo forte e marmorizado como Gorgonzola.

FOTO 3 

SCHNEIDER WEISSE TAP 6 UNSER AVENTINUES – A Schneider Weisse é a mais antiga produtora de cerveja de trigo da Bavária, na Alemanha. Fundada por Mathilde Schneider em 1907, a Tap 6 é a mais antiga cerveja do estilo Weizendoppelbock do mundo. Fabricada conforme a Lei de Pureza Alemã (Reinheitsgebot), é considerada a “mãe das cervejas de trigo”, colecionando diversos prêmios internacionais.

Ela utiliza maltes de trigo tostados, característica do estilo, o que proporciona uma coloração âmbar, bem escura e turva, com uma espuma cremosa e duradoura. O aroma lembra chocolate, banana, uvas passas, além do malte tostado. A graduação alcoólica de 8,2% é muito bem inserida. O sabor é adocicado, com um pouco de torrado e caramelo. Vai muito bem com queijo Gruyere ou algo mais forte como Roquefort.

FOTO 4

SCHNEIDER AVENTINUS EISBOCK – Também produzida pela Schneider Weisse, elaborada a partir da Tap 6, esta Eisbock surgiu por acaso. Até a década de 40 na região da Bavária (Alemanha), o transporte da Schneider Aventinus era sem controle de temperatura, fazendo com que congelasse na viagem, separando a água e potencializando o álcool. Para recriar esta história, nasceu a Aventinus Eisbock, uma cerveja encorpada com incríveis 12% de alcoólica.

A cor é marrom, com espuma cremosa e persistente. O aroma lembra banana, ameixa e caramelo. Bem saborosa, é adocicada, mas não enjoativa, lembrando frutas como uva-passa e ameixas. Cerveja bem intensa que surpreende, mostrando o quanto complexo pode ser uma “cerveja de trigo”. Para fechar a noite com estilo, acompanha a sobremesa sem preocupações.

FOTO 5 

Palavras-chaves

Gostou? Conta pra gente o que achou!

Veja mais notícias semelhantes

Ospreferidos na mesa

Receitas e promoções sempre em primeira mão

Se você quer ser a primeira a receber as novidades da Senhora Mesa e não perder nenhuma das promoções que iremos lançar, preencha seu nome e e-mail e ganhe já o e-book Cozinha fácil!

Junte-se a mais de 50.000 cozinheiros e cozinheiras do brasil e do mundo

Receba sempre em primeira mão as novidades do nosso site e comece a fazer sucesso na cozinha!