Você está em:
Expedição Leva Forno Solar às Veredas

Expedição Leva Forno Solar às Veredas

Compartilhe
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Versão para impressão

Conteúdo da publicação

Comunidade ribeirinha de Minas Gerais aprende a fazer seu próprio forno solar com técnico piracicabano –

Imagine abrir a tampa de uma caixa de papelão, colocar dentro uma forma com massa de pão, e aguardar o sol, isso mesmo, esperar que a estrela central do Sistema Solar faça o cozimento do alimento. O recurso necessário é gratuito e basta poucos outros itens de baixo custo para começar a cozinhar. Foi com essa ideia que o técnico em Gestão Ambiental Nicolau Bussolotti Francine, de Piracicaba (Sp), foi convidado a levar suas oficinas de construção deste forno para a Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) Porto Cajueiro, no coração do cerrado mineiro.

A Reserva possui cerca de 10 mil hectares de cerrado e se tornou um refúgio para animais e para as nascentes do Rio Carinhanha, importante afluente do Rio São Francisco. É uma reserva particular, a maior do Estado de Minas Gerais, constituída em 2002 pela Usina Coruripe. A administração dessa reserva atua em sua preservação e por isso, também contribui com as comunidades do entorno, ajudando-os a obter renda sem prejudicar o meio ambiente.

Durante sete dias Nicolau ensinou 40 famílias a construírem o seu próprio forno, com caixa de papelão e papel-alumínio. “No começo eles ficaram desconfiados, mas depois que assamos um bolo, todos ficaram surpresos”. A intenção, contou o técnico, é reduzir a emissão de carbono no cerrado, pois lá é utilizado muito carvão. “Todos ficaram bem empolgados e esperamos que usem o forno no seu dia-adia”. Acesse o site da Pleno Sol Forno Solar.

Forno Solar –

O forno solar foi criado por Horace de Saussure, naturalista, geólogo e físico suíço, em 1767. O sistema é simples. Um fundo preto de uma caixa bem vedada absorve a luz solar que se converte em radiação infravermelha, que não sai mais da caixa por causa da tampa de vidro, criando um efeito estufa. “É basicamente uma armadilha de calor. A luz consegue passar pelo vidro e quando entra, vira calor e o calor não consegue mais sair”, explicou Nicolau. Seu primeiro contato com esse tipo de forno foi na adolescência. “Em 2009 construí meu primeiro forno e a partir daí passei a fabrica-los”, disse.

O forno pode ser feito de algumas maneiras diferentes, desde uma caixa de papelão com cola branca, até materiais mais resistentes como madeira e vedação com silicone.

A comida refrigerada, por exemplo, pode ser colocada no forno sem preocupação, pois antes do sol começar a cozinhar, a caixa mantém o alimento resfriado. Assim que o sol começa a incidir sobre o forno, o calor avança bem rápido, superando os 70 °C e eliminando o risco de intoxicação.

Expedição leva forno solar às veredas. Para cozinhar basta sol quente!
Expedição leva forno solar às veredas. Para cozinhar basta sol quente!

Cozinhando –

A máxima do cozimento solar é: “comece cedo e não se preocupe em queimar”! O cozimento é feito em um tempo superior ao forno convencional, no entanto, apresenta alguns benefícios que a maior parte dos fornos a gás não possuem. O calor dentro de um forno solar pode superar os 300 °C e o alimento apresenta algumas diferenças. “Esse forno é hermético, então o ar não circula lá dentro e por isso a atmosfera é quente e úmida, o que significa que ele cozinha a vapor, preservando os nutrientes dos alimentos”, contou Nicolau.

Além de assar, o forno cozinha a vapor, aquece, grelha e desidrata alimentos, como frutas, legumes e verduras. Em dias ensolarados, o cozimento de dois quilos de arroz, ovos, frutas, vegetais, peixes ou frango podem levar de uma a duas horas. Para porções de dois quilos de batatas, raízes, grãos como feijões, carnes e pães, o preparo dura entre três e quatro horas e para grandes cortes de carne de cinco a oito horas.

Os fornos que ele fabrica já foram enviados para todo o Brasil, principalmente para regiões onde a incidência de sol é maior, como o Nordeste. Um exemplar também está no
Chile, através de uma amiga que possui o aparelho. A fabricação é artesanal e o valor pode variar de R$ 450 a R$ 1500. Hoje em dia ele fabrica em média cinco fornos por mês.   Em época de Slow Food, busca pelo orgânico, saudável e sustentável, o forno solar é uma boa ideia.

Contato: Pleno Sol Forno Solar – (19) 99797-7865

Palavras-chaves

Gostou? Conta pra gente o que achou!

Veja mais notícias semelhantes

Ospreferidos na mesa

Receitas e promoções sempre em primeira mão

Se você quer ser a primeira a receber as novidades da Senhora Mesa e não perder nenhuma das promoções que iremos lançar, preencha seu nome e e-mail e ganhe já o e-book Cozinha fácil!

Junte-se a mais de 50.000 cozinheiros e cozinheiras do brasil e do mundo

Receba sempre em primeira mão as novidades do nosso site e comece a fazer sucesso na cozinha!