Você está em:
Professor da ESALQ é premiado por contribuição à citricultura

Professor da ESALQ é premiado por contribuição à citricultura

Compartilhe
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Versão para impressão

Conteúdo da publicação

José Roberto Postali Parra, do Departamento de Entomologia e Acarologia da USP/ESALQ recebeu homenagem em Araraquara

O professor José Roberto Postali Parra, do Departamento de Entomologia e Acarologia da Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” (USP/ESALQ), recebeu placa de homenagem do Fundo de Defesa da Citricultura (Fundecitrus), durante inauguração de laboratório de Controle Biológico, em Araraquara (SP). A homenagem aconteceu pela contribuição do professor em pesquisas na área da Citricultura e pelo desenvolvimento de metodologia de controle biológico dogreening (huanglongbing/HLB), doença dos citros transmitida pelo inseto Diaphorina citri.

O método foi desenvolvido após a grande incidência da praga, que levou à erradicação de cerca de 38 milhões de árvores no Brasil e quase dizimou a citricultura em vários países. Parra criou a vespinha Tamarixia radiata, que parasita o inseto transmissor dogreening em sua fase de ninfa. Segundo o professor, o objetivo é utilizar o controle biológico nas áreas de foco de contaminação, fora das plantações comerciais.

“Como os produtores aplicam muito inseticida nos cultivos, seria impossível conseguir realizar um controle nesses locais, pois o produto também mataria o agente de controle da praga”, explicou o professor. As áreas com foco de contaminação, em São Paulo, representam cerca de 12 mil hectares.

O inimigo natural é criado na murta (Murraya paniculata), planta ornamental comum como cerca viva e em cemitérios, e onde o transmissor do greening é comumente encontrado. A biofábrica do Fundecitrus passou a utilizar o sistema de criação de Parra, por meio de um núcleo de produção desse inimigo natural. “Cada biofábrica dessa tem a capacidade de produzir 100 mil insetos benéficos por mês, portando, para atingir toda a área de foco de contaminação, são necessárias mais ou menos de quatro a cinco biofábricas. Esperamos que isso aconteça logo, pois a metodologia está sendo liberada em diferentes locais e trata-se de uma pesquisa com retorno direto ao agricultor”, afirmou Parra.

Para o professor da ESALQ, é muito gratificante ser homenageado dessa forma. “Fiquei muito contente e lisonjeado. É um reconhecimento ao trabalho e nos dá a sensação do dever cumprido”.

 

Palavras-chaves

Gostou? Conta pra gente o que achou!

Veja mais notícias semelhantes

Ospreferidos na mesa

Receitas e promoções sempre em primeira mão

Se você quer ser a primeira a receber as novidades da Senhora Mesa e não perder nenhuma das promoções que iremos lançar, preencha seu nome e e-mail e ganhe já o e-book Cozinha fácil!

Junte-se a mais de 50.000 cozinheiros e cozinheiras do brasil e do mundo

Receba sempre em primeira mão as novidades do nosso site e comece a fazer sucesso na cozinha!